Artigos definidos e indefinidos

Artigos definidos e indefinidos fazem parte das classes gramaticais existentes na língua portuguesa.
Os artigos definidos são: o, a, os, as. Os artigos indefinidos são: um, uma, uns, umas.

Esses artigos são importantíssimos para nós porque fazem parte de quase todas as frases e orações que pronunciamos ou escrevemos em nossos textos, sejam estes formais ou até mesmo quando se resumem àquelas mensagens rápidas, enviadas através das redes sociais.

Veja uma demonstração da importância dos artigos:

👉 A dona da casa saiu! (A proprietária do imóvel).
👉 A dona-de-casa saiu! (A mulher que trabalha e executa atividades do lar).

Viu como apenas um artigo pode alterar drasticamente o sentido de uma frase?!
Além disso, na linguagem falada usamos os artigos definidos e indefinidos quase o tempo todo.

Aperte bem o cinto, pois nesta aula textual você aprenderá absolutamente tudo sobre os artigos definidos e indefinidos.
Além da abordagem teórica, vamos trazer ainda muitos exemplos práticos e uma série de exercícios de fixação detalhadamente comentados, incluindo questões de concursos públicos.

Tudo para que você saia daqui craque no assunto e possa inclusive ajudar a tirar as dúvidas de seus familiares e amigos.

Assuntos mais procurados:

artigos-definidos-e-indefinidos


Conceito de artigos definidos e indefinidos

Nada melhor para começar a estudar determinado assunto do que conceituá-lo detalhadamente, não é mesmo?!
Por isso, vamos logo estabelecer desde já que artigo é uma palavra variável que vem antes de substantivos, definindo-os ou referindo-se a eles de maneira vaga ou imprecisa.
Significa dizer que os artigos podem aparecer flexionados em gênero, masculino ou feminino, assim como em número, singular ou plural, de acordo com o substantivo a que eles se referem.

Quanto ao sentido, o artigo define ou indefine o substantivo, ou seja, estabelece se determinado substantivo está determinado ou não.

Quanto à forma, conforme já explicado previamente, o artigo pode variar em gênero e número, a depender do substantivo ao qual ele se refere.

Quanto à função, os artigos determinam ou acompanham o substantivo.

Já deu para notar que os artigos sempre estarão atrelados aos substantivos, que também estão entre as classes gramaticais variáveis, cuja função basicamente é nomear seres.

Mas deixaremos para esclarecer tudo sobre os substantivos em outra oportunidade. O foco agora é nos artigos o, a, os, as, um, uma, uns e umas.

Artigos definidos

Em termos bem simples, artigos definidos são os que determinam ou indicam de forma particular o substantivo a que se referem, podendo aparecer nos gêneros masculino (o, os) e feminino (a, as).
Quer ver isso na prática? Então olhe os exemplos abaixo:

👉 Maria ganhou a bicicleta azul que tanto desejava.

Preste atenção à frase acima e repare que Maria ganhou uma bicicleta, mas não foi qualquer bicicleta.
Foi exatamente aquela que desejava: a bicicleta azul.
Bicicleta é uma palavra classificada como substantivo feminino e está no singular.
Por isso, utilizamos o artigo definido a, anteposto (que vem antes) ao substantivo bicicleta, também no singular e no feminino.
Vamos analisar outros exemplos para o conteúdo ficar ainda mais claro ainda? Avante!

👉 João foi à praia com os amigos da escola.

João reuniu seus amigos e foi à praia com eles.
Mas repare não se trata de amigos quaisquer, são os amigos da escola.
Analisando-se a frase, é possível percebermos que os amigos de João encontram-se indicados de modo particular, determinado.
Existem muitos amigos, porém João elegeu os da escola para o passeio na praia.
Tanto o substantivo "amigos" quanto o artigo definido "os" estão no masculino e no plural.
Mais uma vez presenciamos a concordância obrigatória entre os artigos e os substantivos de referência.
$ads={1}

Artigos indefinidos

Por outro lado, os artigos indefinidos referem-se aos substantivos de maneira vaga, imprecisa ou indeterminada.
Geralmente, o artigo indefinido faz referência a uma pessoa, um objeto ou um lugar sobre os quais não tenha sido explicitada nenhuma informação anteriormente no texto.

Depois de mencionado o elemento no texto, passa-se a usar o artigo definido, haja vista que já há informações sobre o referido elemento. Por exemplo:

👉 Era uma vez, uma princesa que morava em um castelo muito distante daqui. Após cinquenta anos, a princesa decidiu deixar o castelo em busca de novas aventuras.

Perceba que os substantivos castelo e princesa surgiram inicialmente precedidos de artigos indefinidos (uma e um). Posteriormente, como esses substantivos já haviam sido mencionados, eles passaram a ser acompanhados de artigos definidos (o e a)

Os artigos indefinidos também podem aparecer nas frases e orações no singular (um, uma) e no plural (uns, umas).

Vamos aos exemplos!

👉 Todo dia, o professor conta uma história antes da aula de Português.

Perceba que a frase faz referência a uma história contada todos os dias pelo professor.
Ou seja, não sabemos que tipo de história o professor conta. Não sabemos, por exemplo, se a história é triste, engraçada, aterrorizante etc.
Portanto, o artigo indefinido "uma" está perfeitamente empregado na oração, haja vista que se refere a um substantivo feminino de forma vaga e imprecisa.

No mesmo sentido, a frase:

👉 João comprou um carro.

Analisando-se exclusivamente a frase acima citada, é possível concluirmos que o substantivo carro não foi detalhadamente especificado.
Por exemplo, não se sabe qual a cor, o modelo ou o ano de fabricação do automóvel adquirido por João.
Por isso, justifica-se o uso do artigo indefinido um.
Vejamos mais um exemplo hipotético.

👉 Maria comprou uns docinhos para comer após o almoço.

Note que o substantivos docinhos, o qual encontra-se no masculino e no plural, está precedido do artigo indefinido uns.

Isso nos informa que nada sabemos a respeito dos docinhos que Maria comprou.
Não sabemos, por exemplo, quantos docinhos foram comprados ou ainda que tipo de doces são esses. Eles poderiam ser: brigadeiros, goiabadas, jujubas etc
Enfim, a frase traz uma referência imprecisa e indeterminada acerca dos doces adquiridos, motivo pelo qual foi utilizado o artigo indefinido.

Ainda em relação à quantidade, o artigo indefinido pode aparecer antes de um numeral para representar número aproximado. Por exemplo:

👉 Maria comprou uns trinta doces na padaria.

Isto é, Maria não comprou exatamente 30 doces, mas uma quantidade de aproximadamente (mais ou menos) 30 doces.

Preposições + artigos

É muito comum ocorrerem combinações e contrações entre artigos e preposições. Por exemplo: de + a = da; por + a = pela; em + o no.
Na tabela a seguir, podemos observar as principais ocorrências.

Preposições Artigos
o, os a, as um, uns uma, umas
a ao, aos à, às ------ -----
de do, dos da, das dum, duns duma, dumas
em no, nos na, nas num, nuns numa, numas
por pelo, pelos pela, pelas ------ ------

 

Particularidades sobre os artigos definidos e indefinidos

Até agora você viu as regras básicas sobre "artigos definidos e indefinidos".
Mas saiba que, embora sejam muito importantes, as regras fundamentais sobre esse assunto são apenas a ponta do iceberg
Usando uma gíria, podemos dizer que as regras básicas são regras nutela 😀 (escrito errado assim mesmo para não fazermos propaganda rs).
O que pega mesmo são as particularidade no uso dos artigos. Se você quer ser raiz nesse tema de morfologia, siga a leitura atenta.

Artigo indefinido x pronome indefinido

Cuidado com esta casquinha de banana: a palavra "um" tanto pode ser empregada na frase como artigo indefinido como pronome indefinido.
Veja os conceitos e exemplos!

Pronomes indefinidos são aqueles que se referem à terceira pessoa do discurso, exprimindo a ideia de algo vago ou impreciso. Mas nesse caso não há substantivo acompanhado de artigo.

Exemplos de pronomes indefinidos: tudo, nada, um, alguém, ninguém, todo, nenhum etc.

Vejamos especificamente algumas frases com o pronome indefinido um (que pode aparecer no singular ou no plural).

👉 Uns com tanto e outros com nada, assim funciona o sistema capitalista.

Observe que o período acima traça um paralelo entre pessoas pobres e ricas. Isso foi representado pelas palavras uns e outros.

Sabemos que o "uns" na frase é pronome indefinido porque não está acompanhado de nenhum substantivo, como ocorre com os artigos indefinidos.

Mais um exemplo!

👉 João e José foram ao cinema e cada um comprou sua pipoca.

Nota-se que o pronome indefinido um apareceu em forma de locução, ou seja, cada um, fazendo referência a João e José de maneira imprecisa.
Cada um equivale a cada qual.

Artigos definidos e indefinidos na substantivação

Um processo muito interessante na língua portuguesa é o da substantivação, que ocorre com o uso do artigo. 
Não se assuste com o nome, pois o conteúdo que ele representa é mais simples do que parece.
Significa dizer simplesmente que os artigos têm o poder de transformar palavras de qualquer classe gramatical em um substantivo.
Complicou? Então veja alguns exemplos.
  • O pensar é muito importante para o ser humano.
  • O viver é algo divino e maravilhoso.
  • O azul é a minha cor preferida.
  • O não você já tem, agora vá em busca do sim.
  • Eu gostaria de saber o porquê da sua demora.

Na primeira e na segunda frase, temos dois verbos, pensar e viver. Porém, como estão precedidos do artigo definido "o", eles passam à condição de substantivos. Parece até meio estranho, mas é assim mesmo! Regras são regras.
Da mesma forma, na terceira frase, temos um adjetivo, no caso a cor azul. Como o adjetivo azul está precedido do artigo definido, ele também se transformou em um substantivo.
Na quarta frase, temos dois advérbios, um de negação (não) e um de afirmação (sim). Mas, seguindo o mesmo raciocínio, os mencionados advérbios foram convertidos em substantivos masculinos.
Por fim, no quinto e último exemplo da lista acima, temos a palavra porquê, a qual é uma conjunção que também foi convertida em substantivo.

Aprenda um pouco mais sobre os substantivos:

Artigo definido e artigo indefinido antes de lugares

Devemos usar o artigo definido antes de nomes de lugares, ou seja, de continentes, países, cidades etc.

Por exemplo: o Brasil, a América do Sul, a Inglaterra, o Rio de Janeiro, entre outros.

Alguns lugares não admitem artigos, tais como Portugal, Berlim, Roma etc.
Para você identificar se o lugar aceita ou não artigo, use essa dica: eu vou a(o) e volto da(o).

Veja os testes:
  • Vou a Berlim e volto de Berlim.
  • Vou a Roma e volto de Roma.
  • Vou a Portugal e volto de Portugal.

Em todos esses casos, a letra "a" após o verbo (vou) é uma preposição e não um artigo. Por isso, temos que "eu volto de" e não "do ou da", razão pela qual não cabe o uso de artigo.

Porém, se o lugar estiver acompanhado de algum elemento qualificador ou determinante, o artigo se torna obrigatório. Veja:
  • Vou à Berlim dos meus sonhos. Volto da Berlim dos meus sonhos.
  • Vou a Roma dos césares. Volto da Roma dos césares.
  • Vou ao incrível Portugal. Volto do incrível Portugal.
A maioria dos lugares aceitam naturalmente o artigo:
  • Vou à Bahia e volto da Bahia. (Preposição a + artigo a = à).
  • Vou ao Rio de Janeiro e volto do Rio de Janeiro.
  • Vou aos Estados Unidos e volto dos Estados Unidos.
Nestas últimas frases, existe o uso obrigatório os artigos definidos, pois os respectiivos lugares os aceitam por convenção.

Casa, terra e distância

As palavras casa, terra e distância, em regra, não admitem artigos definidos ou indefinidos. Veja as frases:
  • Após longa viagem, os marinheiros já estão em terra. (Chão firme).
  • Amanhã retornaremos a casa. (Lar ou moradia não especificada. O "a" da frase é preposição e não artigo).
  • A casa fica a distância (Distância não especificada. O "a" da frase é preposição e não artigo).
Atencao! Se as palavras casa, terra e distância estiverem determinadas através de elemento posterior, elas irão requerer o uso do artigo. Perceba:
  • Vou à casa de Maria a fim estudar Português.
  • Chegarei à terra natal amanhã.
  • Estou à distância de 5 metros de você. 
Podemos notar que os elementos sublinhados determinam ou qualificam os substantivos casa, terra e distância, justificando assim a utilização dos artigos correspondentes.

Artigos antes de nomes de pessoas

Os artigos também são usados para designar os nomes de famílias em geral. Nesse caso, os artigos aparecem sempre no plural. Por exemplo: os Ferreiras; os Almeidas; os Marinhos; os Maias; os Arrudas etc.

Familiaridade

O uso do artigo definido antes do nome de determinada pessoa demonstra certo grau de intimidade ou familiaridade com a referida pessoa.

Por exemplo:

👉 João convidou Maria para um evento corporativo.
👉 João convidou a Maria para um jantar à luz de velas.

Na segunda frase, existe afinidade ou familiaridade entre João e Maria.
Também podemos constatar o processo de substantivação no trecho "um jantar". Jantar é um verbo convertido em substantivo.

Valor qualificativo

Os artigos ainda podem conferir valor qualificativo ao substantivo. Isso ocorre especialmente com o artigo definido.
Quem nunca ouviu aquela famosa frase: você é o cara?!
Dê uma olhada nessas duas orações:
  • Chamem um médico. (Um médico qualquer).
  • Chamem o médico da nossa família. (O médico de confiança da família).
No caso, "o médico" exprime uma ideia de médico especial e capacitado, que goza da confiança de alguém. A expressão um médico não especifica nem qualifica  profissional algum.

Artigos definidos e indefinidos depois das palavras ambos e todos

Depois das palavras ambos e ambas, que significam os dois, um e outro, quando elas estiverem se referindo a um substantivo expresso, o uso do artigo é necessário.
Perceba através de casos hipotéticos:
  • Ambos os tenistas terminaram a partida extenuados.
  • Ambas as partes ficaram satisfeitas com o acordo firmado no processo judicial.
Ambos e ambas estão se referindo respectivamente aos substantivos tenistas e partes.
Cuidado para não falar ou escrever a frase: ambos os dois. Isso está errado, ambos já significa os dois. Trata-se de uma redundância.

Também é obrigatório o uso do artigo definido após as palavras todos e todas quando elas vierem acompanhadas de numeral seguido de substantivo expresso.
Vamos aos exemplos.

👉 Todos os cinco alunos chegaram atrasados hoje.

Na frase temos todos os; o numeral cinco e o substantivo alunos (está expresso).

Atenção: o artigo só deve ser utilizado se o substantivo estiver expresso. 
Caso contrário, se o substantivo estiver implícito, não devemos usar artigo.

Veja como fica o nosso exemplo adaptado:

👉 A professora perguntou quantos alunos chegaram atrasados. 
Os colegas responderam imediatamente:
- Todos cinco!

Nesse caso, o substantivo alunos está apenas implícito, motivo pelo qual não há artigo. 
Seria errado dizer todos os cinco, pois na resposta o substantivo alunos não está expresso.

Todo x todo o(a)

Vamos observar agora uma situação em que o uso do artigo pode alterar semanticamente uma frase, ou seja, mudar severamente o seu sentido.

As palavras todo e toda, quando estão acompanhadas de substantivos, significam qualquer, todos os. Veja um exemplo:

👉 Toda casa precisa de reforma.

A oração nos diz que qualquer casa necessita de reforma.

Por outro lado, se após a palavra toda surgir um artigo definido, a coisa muda de figura. 
Nesta hipótese, teremos os seguintes sinônimos: inteiro ou único.
Observe a próxima demonstração:

👉 Toda a casa precisa de reforma.

Neste caso, temos a informação de que há apenas uma casa e ela precisa inteiramente de reforma.
Viu como tudo mudou após o emprego de apenas um artigo?!

Uso proibido dos artigos

Não se deve usar artigos nas hipóteses descritas abaixo.

Antes de substantivos usados de forma indeterminada

Por exemplo:

👉 Há anos não vamos a teatro.

Neste caso, o substantivo teatro está expresso indeterminadamente, significando qualquer teatro. 
A letra a da frase não é um artigo, mas uma preposição exigida pelo verbo ir.

Mais um exemplo:

👉 Precisamos de leis que beneficiem a população.

No caso, o substantivo leis também foi designado de forma indeterminada (quaisquer leis).

Depois do pronome cujo

Não se deve usar artigos definidos ou indefinidos após o uso do pronome relativo cujo e suas flexões, cuja, cujos e cujas.

Por exemplo:
  • Aquele é o prédio cujos moradores sempre reclamam do barulho.
  • Esta é Maria, cujo esposo é João.
  • Ali está a casa, cuja porta está aberta.
Como o pronome cujo pode ser flexionado, torna-se desnecessário o uso de artigos junto dele.

Antes de pronomes de tratamento

Não se usa artigo antes de pronomes de tratamento porque, em geral, não é possível determinarmos com clareza a qual gênero esses pronomes se referem.
Em outras palavras, significa que os pronomes de tratamento são indistintamente aplicados aos gêneros masculino e feminino.

Por exemplo:

👉 O advogado entrou no tribunal e deseja falar com Sua Excelência.

Nesta situação, o advogado deseja falar com um juiz ou com uma juíza. 
Apenas o pronome Excelência não é suficiente para esclarecer o gênero. Por isso o uso do artigo é vedado (proibido).
Assim, seria errado afirmar que o advogado queria falar com a Sua Excelência.

Senhor ou senhora

No entanto, os pronomes senhor e senhora são diferentes. 
Com o uso deles, podemos identificar facilmente os gêneros a que se referem.
Nesse sentido, diante dos pronomes senhor e senhora, devemos usar artigos.
Por exemplo:

👉 O advogado entrou no tribunal e deseja falar com o senhor da recepção.
👉 Já avisaram à senhora que aqui não são permitidos animais?

Artigo integrante de nome próprio

Se determinado artigo faz parte de um nome próprio, é terminantemente proibido fazer contração de preposição anterior com o artigo integrante do nome.

Vejamos um exemplo:

👉 A propaganda foi veiculada no Estado de São Paulo.

Nesse exemplo, existe um erro. O nome do jornal em questão é O Estado de São Paulo. 
Assim, houve um equívoco na contração da preposição "em" com o artigo definido "o", formando incorretamente a partícula "no".

Ocorre que, consoante (conforme) já explicado, essa contração é proibida.
Portanto, a construção à luz da norma culta da língua portuguesa é:

👉 A propaganda foi veiculada em O Estado de São Paulo.

Agora que vimos toda a abordagem teórica, que tal resolvermos alguns exercícios de fixação? Mãos à obra!

Exercícios sobre artigos definidos e indefinidos


#01. (2018 - Banca: FAU - CPS-PR - Advogado) Assinale a alternativa cujo termo destacado não seja um artigo:

a) Sua função é guardar a bile, líquido produzido pelo fígado...
b) ... fígado que ajuda a digerir a gordura da alimentação.
c) ...é bom ir ao médico para confirmar se é mesmo a vesícula...
d) ...o único tratamento eficaz é a remoção cirúrgica da vesícula.
e) ...a vesícula biliar pode causar muita dor.

Vimos várias vezes nesta textoaula que os artigos acompanham necessariamente os substantivos. Esse é o ponto fundamental dessa classe gramatical.
Analisando-se as alternativas, podemos constatar que apenas o item b não apresenta substantivo após a letra "a". Neste caso, "a" é uma preposição.
Após a preposição "a", apareceu o verbo digerir.
Nas demais alternativas, sempre aparece um substantivo após a letra a, indicando que ela é corresponde a um artigo.
Portanto, a única alternativa em que o termo destacado não é um artigo é a letra b, que corresponde ao gabarito.

#02. (2021 Banca: Instituto UniFil - Prefeitura de Cambé - Médico - Clínico Geral)

Analise: “O primeiro deles responde a uma questão...” e assinale a alternativa que classifica corretamente os termos em destaque, respectivamente.

a) Ambos são numerais.
b) Um é numeral e o outro é artigo. 
c) Ambos são artigos.
d) Um é substantivo e o outro é artigo.
e) Um é sujeito e o outro predicativo do sujeito.

A palavra primeiro é gramaticalmente classificada como numeral e a palavra um, conforme já estudamos exaustivamente, é um artigo indefinido.
Gabarito: letra b.

#03. (2021 - Banca: FCM - IPREV Mariana - MG - Advogado Autárquico) “O artigo é a palavra que determina ou indetermina o substantivo. É variável em gênero e número, por isso também determina o gênero e o número do substantivo.” (BUENO, 2014, p. 131)

A partir desse conceito, o artigo definido sublinhado que determina o substantivo está na frase

a) “A Amazon atribuiu o caso a um bug raro (...)”
b) “(...) Danielle ou o marido podem ter dito alguma palavra similar aAlexa” (...)”.
c) “(...) só acreditou quando a outra pessoa começou a tocar gravações de conversas dela com o marido, em casa.”
d) “(...) bem como vigiar a sua vida de várias outras maneiras, e nem por isso você o dispensaria: o seu smartphone.”

Letra a. Não há artigo definido. O que consta na frase é a preposição "a", que se refere ao verbo atribuir.

Letra b. Há apenas a preposição "a", que se refere ao verbo similar.

Letra c.  Há apenas a preposição "a", que se refere ao verbo começar.

Letra d. Aqui existe o artigo definido "a", que está antes do pronome possessivo sua. O "a" não é preposição porque o verbo vigiar não exige preposição.

Ufa, se você chegou até aqui, parabéns. Artigos definidos e indefinidos é um assunto extenso e repleto de regrinhas que devemos ler e reler até memorizar todo o conteúdo.

Se esquecer algum detalhe, fique à vontade para retornar à nossa aula textual e sanar as eventuais dúvidas.

Walderlei

Servidor público concursado, bacharel em Direito e em Segurança Pública, tendo frequentado ainda 6 semestres do curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Ceará. Apaixonado pelo conhecimento!

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem