Tipologia textual: texto descritivo, narrativo e dissertativo

A presente aula textual de português e redação tem como objetivo principal esclarecer aspectos de tipologia textual, ou seja, iremos explicar as classificações dos tipos de texto: descritivo, narrativo e dissertativo.
Veremos o que é mais essencial em relação a essas tipologias, assim como as noções que mais importantes para as questões do Exame Nacional do Ensino Médio. Além disso, a compreensão do assunto é um dos requisitos para a tão sonhada redação nota mil no Enem.
Não podemos prosseguir antes de esclarecermos a diferença entre tipologias textuais e gêneros textuais.
Os gêneros textuais correspondem às formas de redação que apresentam características peculiares, a depender do seu conteúdo, do seu estilo, da sua estrutura e da sua função. 
Entre os exemplos desses gêneros, os mais importantes e populares são: poema, conto, romance, crônica, biografia, ensaio, notícia, resenha, diário, artigo de opinião, manifesto, e-mail, bilhete verbete de dicionário.
Feitas essas considerações, vamos ao conteúdo!
{getToc} $title={Índice da aula textual}

Texto descritivo

O texto descritivo é aquele que enfatiza o estático, ou seja, é como se fosse um retrato ou fotografia, um recorte de uma paisagem, uma ação, um costume. 
Esta tipologia textual vai induzindo o leitor a imaginar o espaço, o tempo, o costume, isto é, tudo que ambienta a história, a informação.

Veja um exemplo de uma descrição ou de um texto descritivo a seguir.
Tipologia textual descritivo, narrativo e dissertativo

Texto descritivo exemplo

Luzes de tons pálidos incidem sobre o cinza dos prédios. Nos bares, bocas cansadas conversam, mastigam e bebem em volta das mesas. Nas ruas, pedestres apressados se atropelam. O trânsito caminha lento e nervoso. Eis São Paulo às sete da noite. (em Platão e Fiorin)

Veja que o texto descritivo aborda características que conferem um sentido paralisado do cenário. É como se tudo estivesse estático.
Podemos notar no texto muitos adjetivos, juntamente com a enumeração de substantivos e verbos. Não há a constatação de movimento neste texto.
Tudo é recorte de instantes, por isso poderíamos pintar um quadro com base na imagem que ele nos sugere.

👉 Assim, podemos concluir que descrever é enumerar características, ações e elementos que produzem uma imagem “congelada” do instante ou da rotina.

Texto injuntivo

Dentre a variedade de textos descritivos, ressaltam-se os textos instrucionais, também conhecidos como injuntivos.
O texto injuntivo é aquele por meio do qual se tenta convencer o receptor (quem lê) a atender a vontade do emissor (o autor do texto). 
Visa a convencer o leitor a obedecer a uma vontade desse emissor (o autor do texto),  a fazer ou não algo, seja ordenando ou pedindo gentilmente.
Em razão da tentativa de convencimento, os verbos imperativos são amplamente utilizados no texto injuntivo.

Essa tipologia textual é recorrente em publicidades, pois tenta-se vender algo aos consumidores de produtos e serviços.

Veja abaixo alguns exemplos de texto injuntivo.

Texto injuntivo exemplos

A seguir, confira algumas exemplos de texto injuntivo ou instrucional:


Nos textos acima, a repetição de verbos no imperativo (compre e tenha) é uma forma de internalização do produto vendido, tal como o chocolate “baton”, na mente do futuro cliente.

Assim, a estratégia deste tipo de texto e o convencimento.
Em épocas de propaganda eleitoral, a frase mais pronunciada no horário político é: vote em mim!
Também podemos enxergar este tipo textual no diálogo entre pessoas:
- Está muito frio hoje, leve o agasalho quando sair.
- Não pise a grama!
- Te amarei por toda a vida, case-se comigo!
- Filhinho, vem almoçar, vem?!


Assim, o texto injuntivo, também chamado instrucional ou prescritivo, não é só uma ordem. Pode ser também uma sugestão, conselho, alerta, pedido, convite, instrução, súplica, dependendo do contexto e do tom, mas sempre objetivará que o receptor/leitor/ouvinte, realize ou não o que o emissor/falante está "prescrevendo", indicando.

Agora, vamos aprender mais uma tipologia textual.

Texto narrativo

Quando o texto está centrado no fato, no acontecimento ou em uma sucessão de acontecimentos, diz-se que ele se refere a uma narração. Isto é, o texto é do tipo narrativo.
Palavra derivada do verbo narrar, narração é o ato de contar alguma coisa. 
Novelas, filmes, séries, romances, contos são basicamente textos narrativos. 

Elementos da narração

Os elementos de uma narração, também denominados elementos da narrativa, são os seguintes:

Narrador

Narrador é aquele que narra, que conta o que se passa supostamente diante de seus olhos. Quando ele participa da história, nós o chamamos de narrador-personagem.

Assim, a narrativa fica normalmente em 1ª pessoa. 
No entanto, quando o narrador não participa da história narrada, ele é chamado de narrador-observador. Neste caso, os verbos utilizados ficam na terceira pessoa.

Personagens

Os personagens são os elementos da narração, usualmente pessoas, que participam da história.

Enredo

Enredo é a história propriamente dita, ou seja, a trama desenvolvida em torno dos personagens.

Tempo

O tempo é o momento em que a história se passa, podendo ser presente, passado ou futuro.

Ambiente

O ambiente é o lugar em que a trama narrativa se desenvolve. Pode, naturalmente, variar muito no desenrolar da história.
Vejamos a seguir um bom exemplo de texto narrativo, em que todos os elementos anteriormente citados se fazem presentes.
“Muitos anos mais tarde, Ana Terra costumava sentar-se na frente de sua casa para pensar no passado. E no seu pensamento como que ouvia o vento de outros tempos e sentia o tempo passar, escutava vozes, via caras e lembrava-se de coisas... O ano de 81 trouxera um acontecimento triste para o velho Maneco: Horácio deixara a fazenda, a contragosto do pai, e fora para o Rio Pardo, onde se casara com a filha dum tanoeiro e se estabelecera com uma pequena venda.” (Érico Veríssimo, O Tempo e o Vento)
O trecho do romance de Érico Veríssimo está situado no tempo (ano de 1981), faz menção a lugares onde a história se desenvolve e apresenta personagens, como Ana Terra e Seu Maneco. E, é claro, alguém está contando: é o narrador da história (narrador-observador).

Observe mais um exemplo de narração, mas agora com o narrador-personagem:
Hoje estive na loja de Seu Chamun, uma tristeza. Poeira e cisco por toda parte, qualquer dia vira monturo. Os dois empregados do meu tempo foram embora, não sei se dispensados, e o dono não tem disposição para limpar.” (José J. Veiga, Sombras de Reis Barbudos)

Discurso

Evidentemente os personagens que participam da história falam. A essa comunicação nós denominamos discurso, que pode ser:

Direto

No discurso direto, o narrador apresenta a fala do personagem integralmente, palavra por palavra. Geralmente se usam dois pontos e travessão para representar o discurso direto.

Exemplo...

O funcionário disse ao patrão:

- Espero voltar no final do expediente.

João perguntou ao amigo:

- Posso chegar mais tarde?

Indireto

No discurso indireto, o narrador incorpora à sua fala a fala do personagem. O sentido é o mesmo do discurso direto, porém é utilizada uma conjunção integrante (que ou se) para fazer a ligação.

Ex.: O funcionário disse ao patrão que esperava voltar no final do expediente.

Rui perguntou ao amigo se poderia chegar mais tarde.

Indireto livre:
O discurso indireto livre é praticamente uma fusão dos dois tipos anteriores. Percebe-se a fala do personagem, porém sem os recursos do discurso direto (dois pontos e travessão) nem do discurso indireto (conjunções “que” ou “se”). 

Exemplo: 

👉 Ele caminhava preocupado pela avenida deserta. Será que vai chover, logo hoje, com todos esses compromissos!?

Texto dissertativo

Dissertar é um processo em que o emissor transmite conhecimento, relata, expõe ideias, discorre sobre determinado assunto, argumenta. 
Em determinada medida, o texto dissertativo mostra o ponto de vista que o autor tem de determinado assunto, fundamentado em argumentos e raciocínios baseados em sua vivência, conhecimento, posturas.

É certo ainda dizer que esse tipo de texto engloba um conjunto de juízos, sendo próprio de temas abstratos e usado em textos críticos, teses, exposição, explanação e argumentação.

A depender do ponto de vista, da organização e do conteúdo, a dissertação pode simplesmente relatar saberes científicos, dados estatísticos etc. Além disso, pode também buscar defender um princípio, uma visão parcial ou não de um assunto, apresentando argumentos precisos, exemplos, contradições, comparações, causas etc, para defender suas ideias. 

Estrutura do texto dissertativo

A estrutura de um texto dissertativo normalmente é a seguinte:

Introdução

A introdução é o parágrafo que abre a discussão ou simplesmente expõe a informação principal, da qual se partirá nos próximos parágrafos à exemplificação ou à explicação. Neste parágrafo, normalmente se encontra o tópico frasal, o qual também é entendido como tese, cuja função é transmitir a opinião do autor, o centro da informação.

Desenvolvimento

Por sua vez, o desenvolvimento pode ser composto de um ou mais parágrafos, os quais servem para ampliar e analisar o conteúdo informado na introdução. 
Nele, encontramos os procedimentos argumentativos, que podem conter a relação de causa e consequência, exemplificações, contrastes, citações de autoridades no assunto. 
Enfim, trata-se do debate propriamente dito ou simplesmente o mergulho nas implicações do tema.

Conclusão

A conclusão é o fechamento da informação, seja ela crítica ou não.

Muitas vezes iniciadas por elementos relacionados às conjunções conclusivas, tais como: portanto, logo, diante do exposto, em suma, enfim etc. 
Na conclusão, há normalmente a ratificação, ou seja, a confirmação da tese abordada no texto, tomando por base os argumentos dos parágrafos de desenvolvimento.

Com base nisso, a dissertação se divide basicamente em dois tipos:

Texto dissertativo-expositivo

Texto dissertativo-expositivo é aquele cujo o autor apenas transmite os saberes de uma comunidade (como em livros didáticos, enciclopédias etc), não emitindo sua opinião sobre o assunto, mas apenas os dados objetivos.
Observe um exemplo de texto dissertativo-expositivo:



Dissertativo-argumentativo ou opinativo

Um texto é classificado como dissertativo-argumentativo ou opinativo quando o autor transmite sua opinião dentro do texto. 
Essa tipologia é muito cobrada em concursos públicos e sobretudo no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem).



Tipologia textual exercícios

Exercício #01

(MGS Prova: IBFC - 2022 - MGS - Monitor Educacional) Muitos estudantes de Língua Portuguesa acabam por confundir “tipos textuais” com “gêneros textuais”. Os tipos textuais também denominados tipos de textos, caracterizam-se pelo seu conteúdo e pelo seu layout (formato). Já os gêneros textuais são tipos relativamente estáveis de enunciados, os quais apresentam uma função comunicativa baseada nas relações socioculturais e comunicativas. Sabendo-se que há apenas cinco tipos textuais, assinale a alternativa que não pode ser denominada de tipo textual.

a) Texto narrativo.
b) Texto descritivo.
c) Texto dramático.
d) Texto dissertativo.

Comentários com gabarito.
Conforme já mencionamos no início do texto, existe realmente uma diferença entre tipologia textual e gênero textual.
No entanto, a questão requer a única alternativa que não corresponde a um dos tipos textuais existentes.
Os itens a, b e d apresentam respectivamente os tipos narrativo, descritivo e dissertativo. Já vimos que esses tipos existem.
Apenas a alternativa c contém uma palavra que não corresponde a uma tipologia textual. Texto dramático está muito mais relacionado a um gênero textual, e não a um tipo. 
Portanto, gabarito: letra c.

Exercício #02

(FGV - 2021 - Prefeitura de Paulínia - SP - Assistente Social) Uma noite destas, vindo da cidade para o Engenho Novo, encontrei no trem da Central um rapaz aqui do bairro, que eu conheço de vista e de chapéu. Cumprimentou-me, sentou-se ao pé de mim, falou da Lua e dos ministros, e acabou recitando-me versos. A viagem era curta, e os versos pode ser que não fossem inteiramente maus. Sucedeu, porém, que, como eu estava cansado, fechei os olhos três ou quatro vezes; tanto bastou para que ele interrompesse a leitura e metesse os versos no bolso.”

Esse é o início do romance Dom Casmurro; é correto afirmar, sobre esse texto, que se trata de texto

a) narrativo com sequências descritivas e argumentativas. 
b) narrativo com sequências descritivas. 
c) descritivo, com sequências narrativas e argumentativas.
d) narrativo com sequências expositivas. 
e) descritivo com sequências descritivas e expositivas.

Comentários!
Nota-se claramente no texto uma sucessão de acontecimentos. Basta olharmos os verbos para comprovarmos isso: vindo, encontrei, conheço, fechei etc.
Então temos um texto narrativo.
Mas também há um pouco de descrição no texto. Observe este trecho: "A viagem era curta, e os versos pode ser que não fossem inteiramente maus".
Logo o texto também é descritivo.
Concluímos que estamos diante de um texto narrativo com sequências descritivas, motivo pelo qual o nosso gabarito é a letra b, de bola.


Walderlei

Servidor público concursado, bacharel em Direito e em Segurança Pública, tendo frequentado ainda 6 semestres do curso de Ciências Biológicas da Universidade Federal do Ceará. Apaixonado pelo conhecimento!

Postar um comentário

Postagem Anterior Próxima Postagem